No Rio de Janeiro o Governo do Estado Gastou o Dobro do que na Rede Particular

Cada novo leito criado para atender a pacientes com a covid-19, pagou-se mais nos hospitais de campanha que fecharam as portas e outros que nem chegaram abrir. A iniciativa privada ganhou o terreno e em tempo recorde ergueu dois Hospitais de Campanha no Rio de Janeiro, unidades ainda recebem pacientes com a covid-19. Já o Governo do Estado deveria fazer sete Unidades de Campanha, só duas saíram do papel e mesmo assim os hospitais do Maracanã e de São Gonçalo agora estão desativados. O grupo de empresários levou 19 dias para começar os atendimentos, mas a Unidade do Maracanã feita pelo poder Público atrasou e mesmo assim foi inaugurada com metade da capacidade.

Além disso o Estado pagou quase o dobro do que a iniciativa privada para ativar os leitos. A organização social e IABAS, responsável pelos hospitais, recebeu 256 milhões de reais dos cofres Públicos e entregou 440 leitos cada um custou 581 mil reais. Enquanto o gasto na rede particular foi de 305 mil reais, nesses valores estão incluídos os custos com a construção, equipamentos, insumos e contratação de profissionais, ou seja, para cada leito construído pela Rede Pública, a iniciativa privada entregou quase dois. As vagas dos dois hospitais de campanha feitos por empresas privadas do Leblon e do Parque dos Atletas, não são particulares fazem parte do Sistema Único de Saúde.

O Ministério Público vê indício de superfaturamento nas compras para os Hospitais de Campanha contratados pelo Estado do Rio, a explicação para essa suspeita é simples a rede privada conseguiu gastar menos porque fez pesquisa de preço, já o Estado teve as licitações dispensadas por conta da pandemia e não teria negociado serviços mais baratos no mercado. Nesta segunda-feira a Secretaria Estadual de Saúde anunciou que três hospitais de campanha que nem foram inaugurados, serão definitivamente fechados não há mais pacientes para ocupar os leitos.

O IABAS disse que não é correto comparar os preços porque cada contrato tem suas características próprias, informou ainda que na licitação ofereceu o preço menor do que os outros concorrentes. A Secretaria de Saúde disse que os 256 milhões de reais não podem contar apenas com a contratação de leitos, pois foram incluídos os serviços para montagem de outros hospitais além do Maracanã e São Gonçalo.